Quem Vigia o Vento Não Semeia

Quem-Vigia-o-Vento-Nao-Semeia“Pode ser que Deus pertença ao domínio do impensável, mas não ao domínio do indizível”José Augusto Mourão, especialista em Semiótica, Hiperficção e Cultura, deixou-nos um belíssimo conjunto de textos homiléticos, onde pouco a pouco vai sendo construída uma tela multicolor de uma beleza que expressa verdade. 

De uma forma subtil, mas extremamente profunda, o Padre Dominicano apresenta-nos a Palavra de Deus como uma respiração e um gesto que dá vida às comunidades, tendo em conta a docilidade do Espírito Santo que habita em nós. Numa linha criativa, expressa a linguagem religiosa, como uma lente do invisível que nos mostra a diferença entre o verdadeiro e o falso. A Sagrada Escritura precisa de ser lida como uma “língua que se renova incessantemente para que a vida se diga”. 

Nesta compilação de reflexões homiléticas de José Augusto Mourão, encontraremos a leveza de um texto que nos projeta constantemente para o transcendente, mas que não nos deixa desligar da realidade humana concreta. “Ler é deixar cair o olhar que se inclina sobre a palavra até esta re-luzir. Ler é acender o texto e deixar que o corpo seja afetado pelo que se lê. Ler é ressuscitar a letra que dorme e fazê-la brilhar acordá-la para o mais-ver, para a mais-paisagem”. Certamente não ficaremos indiferentes a esta vivificante experiência de leitura. 

  • Visualizações: 339