IV Domingo do Advento (B)

UMA CASA PARA DEUS4 ADVENTO B

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente o Evangelho Lc 1, 26-38.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
O relato da anunciação revela o modo como Deus projeta salvar a humanidade. É uma humilde virgem que é escolhida como “porta de entrada”. Ao mensageiro de Deus Maria dá o seu assentimento.

2. O que me diz Deus
- Identifico os diversos sentimentos de Maria. Quais seriam os meus?
É numa região periférica e aldeia insignificante que Deus escolhe uma “Mãe” para Si. Desconcertante surpresa para esta jovem anónima que “ganha vida” ao entrar nos planos de Deus. Significa que, para Ele, ninguém é desconhecido. Os desígnios divinos incluem-me. Assusta!? Maria também se perturbou. Por isso, esclarece suas dúvidas. Continua perplexa? Certamente. Mas confia em quem a interpela: Deus sabe que faz. Então, faça-se! Este Natal, é a minha vez de acolher Deus. Mesmo não tendo sua virtude, Maria serve-me de modelo: darei meu SIM.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, és convite à alegria. Queres ser “Deus connosco”, a fim de partilhar os meus passos, elevando os meus sonhos. ConTigo, sou desafiado a tudo viver como dádiva, mas também como entrega. E é aqui que vacilo, pois receio perder o controlo.
Convidas-me a não temer. Diante de Ti, sou pobre e fraco. Todavia, em Maria, revelas preferir os mais pequenos, precisamente. É por isso que optaste entrar, no nosso mundo, pequenino!? Possa eu ter confiança suficiente.
Além disso, este Natal será diferente: com aperto no coração por não reunir todos os que amamos. Haverá menos festa, menos presentes. Despido, será parecido ao primeiro, único e autêntico Natal: o teu. Para nasceres entre nós, basta-Te um sim e um coração humilde e disponível. Torna o meu semelhante ao de Maria.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, queres fazer morada em mim: o Infinito e Perfeito aconchegado no finito e imperfeito que eu sou. Tremendo mistério, que só posso agradecer humildemente; louvar convictamente; e contemplar devotamente.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

UM PENSAMENTO
“As pessoas são como casas com portas abertas… e cada casa deveria transformar-se numa morada para Ti, meu Deus.” (Etty Hillesum)

PROVOCAÇÕES
- Deus é fonte de alegria para mim?
- Minha fé é resposta aos meus medos?
- Disponho-me a acolher Deus em tudo o que vivo?
- Meu Natal estará centrado no “Deus connosco”?

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de reservar, em mim, um lugar especial para Deus.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Quem casa quer casa
e tu, Deus amante,
não fazes exceção, antes certificação.
Em Maria, reconquistas e regeneras
o regaço e abraço aconchegante,
desde a aurora dos tempos buscados.
Só em nossa casa, casa própria terás.

A espera em esperança
Tua presença fecunda converteu,
desconfinando espaços,
estreitando a distância.
Preferiste o templo do tempo:
escolhendo a mais pura de nós,
nossa história Teu amor emprenhou,
e Tua Palavra morada tomou.

UMA CANÇÃO
Isadora Pompeo – Minha morada