Epifania (A)

REGRESSAR DIFERENTEEPIFANIA A

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Mt 2,1-12.
- Sublinho e anoto o mais significativo.

Vindos do Oriente, uns magos adoraram o “rei do judeus que acaba de nascer”. Enquanto isso, em Jerusalém, permanecem Herodes, alarmado, e os sábios, indiferentes.

2. O que me diz Deus
- Que pensamentos e sentimentos despertam em mim neste episódio?
Natal é tempo de encontro. Todo o encontro implica desejo e procura, caminho e perseverança. O relato dos magos é a minha história, pois a vida cristã é uma contínua peregrinação. A salvação de Deus, revelada em Jesus, é universal. Não é monopólio de uns, em detrimento de outros. Natal é tempo de descoberta, alargando o olhar e o coração. Também é tempo de desafio: renascer num “regresso diferente” à minha vida. Natal é tempo de revelação: EPIFANIA de Deus, dos outros e de mim mesmo.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, encontrar-Te exige de mim pôr-me a caminho, como os magos do Evangelho. Reconheço que nem sempre Te busco. Com frequência, acomodo-me ao que já tenho e sou. Outras vezes, como Herodes, é o medo e a insegurança a paralisarem-me. Felizmente, a insatisfação desinstala-me. Mas perco-me por caminhos que não me levam a Ti. Sigo outras estrelas de brilho ilusório. Saberei distingui-las?
À semelhança dos magos, reencontrarei o meu caminho através da tua Palavra. Mas receio contentar-me em saber mais que os outros. Também os sábios conheciam a verdade, mas não a experimentam. Será que me disponho a procurar-Te?
E que tenho eu a oferecer-Te? Não tenho ouro nem mirra. Esperas outra coisa que não incenso. Queres-me a mim, tal como sou; não o que tenho ou faço. É aqui e agora, conTigo, que aprenderei a seguir outro caminho, feito de Evangelho escutado e vivido: um rumo novo que não me separe de Ti, nem me afaste dos outros. Segue comigo!

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, depois das festas, é tempo de regressar à vida, mas diferente por Te ter encontrado. Assim Te louvo, contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Para mim, a fé é algo adquirido ou um caminho em contínuo processo?
- Considero-me com “salvação garantida” em relação aos outros?
- O meu testemunho de fé leva os outros a quererem experimentar Deus?

UM PENSAMENTO
“Não se puseram a caminho por terem visto uma estrela, mas viram a estrela porque se tinham posto a caminho.” (São João Crisóstomo)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de procurar Deus, discernindo sinais e sua Palavra.

UMA ORAÇÃO-POEMA

Meu chão é tão vasto quanto o céu,
imensidão de Deus por onde eu vou.
Nele me perco, descubro e encontro.

Sigo sinais Teus, sementes de caminho.
Mas outros brilhos há que me ofuscam,
escurecem a senda e atolam os passos.

Não basta pois perceber-Te em redor
mas achar o eco da Tua Palavra dentro:
sou mapa da Tua presença que ressoa.

Encontrado, serei no agora, Epifania Tua,
tornando-me nova estrada, nesta vinda,
partilhando-Te com o irmão da estrada.

UMA CANÇÃO
Audrey Assad – Be thou my vision

  • Visualizações: 748