VI Domingo da Páscoa (A)

PERFILHADO POR DEUS6 PASCOA A

LECTIO DIVINA – Um Roteiro

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Jo 14,15-21.
- Sublinho e anoto o mais significativo.

Na última Ceia, Jesus despede-se dos discípulos. Promete-lhes que não os deixará órfãos: sua Palavra, lembrada e vivivda, e o Espírito Santo serão sua nova presença.

2. O que me diz Deus
- Que pensamentos e sentimentos despertam em mim esta passagem?
Jesus antecipa a crise que sua Paixão e posterior Ascensão provocará entre os seus discípulos. O Espírito Santo virá: Ele será o “Paráclito” (posso traduzir por defensor, intercessor, consolador, intérprete). Terá como função reanimá-los na missão que Jesus lhes confia: guardar e cumprir seus mandamentos, isto é, tornar visível Deus e o seu amor. É mensagem oportuna, para os dias de hoje. Não estou órfão! Com o Espírito, aceito o meu passado, acolho o presente e enfrento o futuro, confiante.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, pedes-me que guarde os teus mandamentos como prova de amor. Guardar não é apenas recordar. A melhor forma de não esquecer é concretizar, pois teu mandamento é amar. O amor não se diz em palavras; não se decora no pensamento. Nasce no coração, passa pelo olhar até chegar aos gestos que ele multiplica.
Previdente da minha fraqueza e inconstância, prometeste não me deixar órfão. Mas, às vezes, experimento solidão. Terei sido eu a afastar-me? Ou o medo me tornou surdo à tua voz? Reconheço: quando me senti só, foste Tu que me carregaste.
Se não Te vejo, sei-Te presente. Todos os desafios vencidos, foram-no pelo teu Espírito em e por mim. Ele é defensor contra o medo; consolador nas adversidades; intercessor nas tormentas; é Ele que Te traduz ao meu entendimento, que propicia a comunhão conTigo. É por Ele, que estás em mim e eu em Ti, tal como disseste.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, nunca me deixaste órfão! Só posso expressar gratidão pelo dom do teu amor infalível. Minha vida seja um cântico de louvor a Ti, meu Deus. Contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Sinto-me filho de Deus ou órfão?
- Recorro ao Espírito Santo para pedir conselho e tomar decisões?
- Alimento a minha relação com o Espírito Santo para amar melhor a Deus?

UM PENSAMENTO
“Mesmo que o nosso querer seja pequeno: Deus está a amadurecer.” (Rainer Maria Rilke)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de viver a alegria de filho(a) de Deus.

UMA ORAÇÃO-POEMA

“Não te deixarei órfão.”
Prometeste.
Adivinhaste-me tempestades
interiores.
Vendo-me ermo,
sabias que vacilaria
que me tornaria pântano,
a dias,
volvido em mar revolto,
pelas noites.
Então, escolheste ser bálsamo
e acalmia
prometendo ser presença,
outra.

E cumpriste…
Foste Pai, a sonhar, comigo,
rumos novos.
És Mãe, abraçando-me
em doce paciência.
Foste irmão a entretecer laços
sem fim.
És Espírito, repto
do que ainda não sou,
mas serei,
ladeado por Ti, meu Paráclito.

Porque sempre cumpres,
ouso prometer.

UMA CANÇÃO
Kari Jobe – I am not alone

  • Visualizações: 1051