PRIMAVERA 25 - Janos Brenner

A 15 de dezembro de 1957, o corpo do jovem padre JANOS BRENNER era encontrado nos arredores da cidade de Zsida, na Hungria.JANOS BRENNER
Era apreciado por todos, grandes e pequenos, pela pureza de seu olhar e sua jovialidade. Apesar das pressões hostis do regime comunista, escolhera ser padre. Corajoso e consciente do perigo, perseverou na vocação para servir ao Senhor e iluminar os jovens com a palavra de Deus. Rezava com fé, visitava os doentes e os idosos e, para todos, tinha palavras de conforto e proximidade. Sua presença incutia confiança e alegria.

Janos Brenner nascera em 27 de dezembro de 1931, em Szombathely. Juntamente com dois irmãos, ingressou e formou-se no seminário de modo clandestino, pois tal era proibido na Hungria comunista. Ordenado em 1955, iniciou seu apostolado em Rábakethely. A sua especial dedicação à juventude despertou a desconfiança das autoridades comunistas.
Já em 26 de dezembro de 1948, o regime prendera o cardeal József Mindszent, condenando-o à prisão perpétua. No verão de 1950, cerca de 2.500 religiosos foram deportados e, em agosto, a faculdade de teologia em Budapeste foi encerrada. O regime também criou um movimento pela paz com a intenção de gerar discórdia e divisão no clero. Em outubro de 1956, rebentou a “Revolução húngara” em Budapeste, iniciada por manifestações estudantis contra as políticas soviéticas impostas no país. Em represália, o exército soviético reprimiu violentamente a revolta popular, massacrando mais de 2.500 pessoas. A maioria delas eram estudantes e trabalhadores que defendiam os seus ideais.
Em dezembro do ano seguinte, no consequente reforço persecutório contra tudo o que diferia da ideologia marxista, chegou a vez do padre Janos. Para afastá-lo de sua paróquia, enviaram um jovem para lhe pedir que visitasse uma pessoa doente. Tomando sua teca - onde guardava a Eucaristia – dirigiu-se para a aldeia de Zsida. Cerca de cem metros da igreja, foi atacado por alguns homens. Quando seu corpo foi encontrado, segurava a teca com a Eucaristia em sua mão esquerda. A autópsia revelou trinta e dois golpes de navalha, além de múltiplas fraturas. Tinha 26 anos.
No lugar do seu martírio, entre os povoados de Rábakethely e de Zsida, foi construída em sua homenagem a capela do Bom Pastor, em 1989. Foi sepultado na cripta familiar na sua terra natal, sendo seu lema sacerdotal colocado no túmulo: "Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus".
Foi beatificado a 1 de maio de 2018.

  • Visualizações: 405